FORA DA ROTA / MINI GUIA - Uma fábula medieval chamada SAN MARINO
A Itália é o único país do mundo que tem outros 2 países independentes enclavados dentro de seu território: um é o famosíssimo Vaticano. Já o outro é muito menos conhecido, visitado, e tem um acesso bem menos simples: San Marino. Mas o que é que tem lá? Será que vale a pena visitar? Descubra neste artigo!

Sempre fui aficionado por mapas. Eu realmente curto saber onde estão os países no globo, as suas cidades, onde ficam os pontos turísticos, as particularidades de cada um, etc… E algo que sempre me intrigou são os “mini países”: aqueles que nunca aparecem na mídia, e que a maioria das pessoas sequer sabe que existe. Como funciona uma nação com tão pouco território e tão pouca gente? Será que elas têm uma cultura própria, ou são meras reproduções de seus vizinhos “grandões”? Perguntas como essas sempre atiçaram minha curiosidade…

 

Quando fui pela primeira vez à Itália, vi a viagem como uma oportunidade de ouro pra matar não dois, mas três coelhos com uma cajadada: além de conhecer as belezas da Velha Bota (sim, eu também sou “gente” e fui explorar 10 cidades italianas 😄), eu poderia, finalmente, “descobrir qual é” a do Vaticano e a de um outro mini país que também fica dentro da Itália, mas que é muito mais "obscuro": a Serenissima Repubblica di San Marino!

guaita san marino.jpg

Castello della Guaita, o maior símbolo de San Marino e uma das três fortalezas retratadas na bandeira nacional

Primeira curiosidade: sim, é esse mesmo o nome oficial do Estado sammarinese. Outras peculiaridades de lá: o território, de apenas 61 km² (bem menor que a grande maioria das cidades brasileiras!) faz de San Marino o 5º menor país independente do mundo; porém, a população local, de apenas 30 mil habitantes, goza de níveis sociais de “gente grande”: o IDH e a renda per capita locais estão entre as mais altos do planeta. Outro dado importante: você sabe qual é a república mais antiga do mundo? Pois é… A de San Marino foi estabelecida no ano 301 d. C., e desde então se manteve firme e forte – algo que orgulha (e muito) o seu simpático povo.


A certa falta de informação disponível sobre o país, bem como a certa dificuldade que existe pra chegar lá, sem dúvida são fatores que contribuem para o “ostracismo” do Estado sammarinese. Provas exemplares disso são o meu próprio livro-guia de viagem da Itália, que embora enorme e completíssimo, não dedica mais que meia página a San Marino, além do fato de que, segundo dados do governo local, 85% dos turistas que entram no país são italianos. Por outro lado, esses mesmos fatores também acabam sendo ingredientes para tornar a surpresa ainda maior! 😃

 

San Marino é uma nação que fica em torno de uma montanha (o Monte Titano), sendo que a capital, Città di San Marino, fica no topo. Não há litoral, pois todo o território é cercado pela Itália. Também não há aeroportos, nem estações de trem (a única linha que ligaria o país ao exterior começou a ser construída pelo ditador italiano Benito Mussolini nos anos 30, mas nunca foi concluída). Assim, o único jeito de chegar a San Marino é de carro ou de ônibus, que nesse último caso saem da cidade italiana de Rimini, no litoral do Mar Adriático. O que encomprida ainda mais a viagem é que não há nenhuma cidade grande na região (nem mesmo Rimini é), então se você for um mochileiro como eu e estiver viajando de trem, é necessário ir antes para Bologna, no centro-norte da Itália, e de lá pegar uma linha secundária para Rimini – sendo que, para ir embora, você terá o caminho inverso pela frente. No meu caso, isso significou um deslocamento meio inconveniente, porque em tese, de San Marino a Firenze (minha próxima parada na viagem) seria só uma curta linha reta; no entanto, precisei fazer um “V” invertido, indo primeiro pra Bologna, e de lá seguindo pra Firenze…
 

Apesar disso, não dá pra reclamar. A Itália é um país de 1º mundo, e pelo menos no norte, seus transportes não deixam por menos: os trens são modernos, confortáveis e pontuais, e as belas paisagens que são vistas durante as viagens as tornam ainda menos cansativas. Além disso, Rimini é uma cidade de praia bem legal, com muita gente jovem e boas baladas. Portanto, todo esse “sacrifício” pra conhecer San Marino vale a pena! 😃

 

Apenas 1 dia é suficiente para explorar bem o Estado sammarinese. Isso porque na realidade, a parte mais interessante do país se resume à capital, que fica na metade superior da montanha; as outras cidadezinhas, ao pé dela, na prática são pequenos bairros mais modernos, onde a maioria da população local vive e trabalha e nas quais não há grandes atrações.
 

Existe uma estrada que leva a uma das entradas da Città di San Marino, de onde só é possível prosseguir a pé – sim, San Marino certamente tem a única capital do mundo em que não há circulação de veículos! Mas atualmente, há um jeito mais legal de chegar lá: pare antes, em Borgo Maggiore (uma das cidadezinhas ao pé da montanha), e pegue o bondinho teleférico! A subida é rápida (bem menos extensa que a do bondinho do Pão de Açúcar, no Rio, por exemplo), e de dentro dele já é possível ter as primeiras – e lindas – vistas panorâmicas de San Marino.

teleferico san marino.jpg

Subindo de bondinho teleférico para a Cittá di San Marino!

Chegando na Città, pegue um mapa da cidade no centro de informações turísticas, ao lado do bondinho, e saia andando pra explorá-la, sem medo de ser feliz. Como o lugar é pequeno, é difícil se perder, mas caso isso aconteça, aproveite! Assim como Veneza, na Itália, Città di San Marino é uma das poucas cidades do mundo em que se perder é bom, pois só o fato de sair das vias principais e andar sem rumo pelas ruazinhas menores, sem gente, já é uma experiência extremamente interessante; a sensação de volta aos tempos medievais fica ainda mais intensa, e de repente você pode se deparar com uma vista sensacional, ou então uma casinha que faça você querer morar ali pra sempre…

san marino (2).jpg

Quem não gostaria de morar numa casinha sammarinese? 😃

As seculares construções da cidade, bem como seus jardins, são tão bem preservados, que há momentos em que você se pergunta se tudo aquilo é real… Parece até um conto de fadas, e a qualquer momento você acha que vai cruzar com um dragão ou uma princesa encantada! 😂

san marino (5).jpg

Parece até um cenário, mas é a capital de San Marino!

... Mas o mais incrível, talvez, seja reparar no jeito em que a cidade foi construída (e no trabalho que isso deve ter dado)… Ali você está na parte mais alta de uma montanha, que não te deixa esquecer que é bem íngreme porque a toda hora há escadas e ladeiras para ir de um ponto ao outro da cidadela!

san marino (3).jpg

Ladeiras e mais ladeiras...

Após visitar os pontos mais famosos na parte inferior da Città, como a Cava dei Balestrieri (um anfiteatro) e a Piazza della Libertà (onde fica a igreja principal e o Palazzo Pubblico, o prédio do governo), uma boa ideia é sentar em algum dos agradáveis cafés ou restaurantes locais e, assim como é praxe na Itália, fazer uma refeição excelente. Minha sugestão é o Scaloppine alla Sammarinese, um delicioso prato com queijos derretidos e funghi, acompanhado de pão tradicional e uma taça de vino della casa, que é o vinho próprio do estabelecimento (sempre é bom e mais barato que os “de marca”)!

piazza liberta san marino.jpg

Piazza della Libertà, a principal praça de San Marino, com o prédio do governo do país ao fundo

Depois, siga até o limite da cidade (impossível não achá-lo, pois a Città é toda cercada por uma grande muralha), e, andando em cima dela, inicie a subida até o Picco della Rocca. Ela é cansativa, mas a vista vai ficando cada vez mais bonita e isso serve de incentivo para continuar! 😃

san marino (4).jpg

Quase terminando a subida até o topo da montanha... Ufa!!

Lá em cima, você vai se deparar com o Castello della Guaita. Construído no século XI, é a principal fortaleza de San Marino – são 3 no total, e só uma outra também é aberta à visitação (a Cesta, do século XIII). Na base da Guaita há um jardim com uma barraquinha onde é vendido o Idromele, a bebida nacional feita com mel, gengibre e ervas. Lembra um pouco o nosso quentão, mas é tomado à temperatura ambiente… E me pareceu ainda mais forte! 😃

idromele san marino.jpg

O "shot" de Idromele e grátis! 😄

É permitido andar por dentro da torre, que guarda um pequeno museu, antigas celas de prisioneiros e alguns terraços, de onde se têm as vistas mais espetaculares de San Marino. Não é pra menos, pois este é o ponto mais alto do pequeno país; dali é possível avistar as outras fortalezas, a floresta que cobre um dos lados do Monte Titano, e, lá embaixo, as cidadezinhas sammarinese e os campos e o litoral italianos ao fundo, com o Mar Adriático se encontrando com o céu. Tudo isso acompanhado de música medieval, que fica tocando como um som ambiente no local e faz a experiência de imersão na Idade Média ser ainda mais intensa!

san marino (1).jpg

Que vista! 😃

Não dá vontade de ir embora. San Marino é uma surpresa linda, tranquila e que ainda não foi descoberta pelo turismo de massa. Caso você queira ficar, há hotéis na cidade velha (mais caros) e um único hostel que fica em Borgo Maggiore. Mas, se fizer como eu e for embora no mesmo dia em que chegou, aproveite para descer a montanha fazendo um caminho diferente por dentro da cidadela, terminando de explorá-la!




••• E agora que você descobriu essa fábula medieval pouco conhecida, encontre AQUI as melhores opções de HOSPEDAGEM em San Marino! •••


 

Até a próxima viagem! =)

 

 

 

"Destino RBBV"